domingo, 25 de abril de 2010

ENXOTANDO FANTASMAS



ENXOTANDO FANTASMAS



- Deus! Tô apelando...
Hahaha, cabelos brancos, rugas, marcas disso e daquilo e por favor, sem essa de dizer :
“As marcas da idade, significam tudo que você viveu”
Me poupe!
Não as acho bonitas e ponto; sei que existem porque estão ali na minha frente e o espelho não mente.


- Me conta como funciona essa coisa de “apelar” e da relação com o espelho. Como você especificamente resolve a equação?


- Não resolvo, estou tentando entender....
Cara, é tudo muito difícil porque por dentro eu sou jovem demais e então quando dou de cara com o espelho, o susto é inevitável.


- kkkkkkk.... a questão do inevitável é seríssima.


- Muito, informo que não sou contra qualquer plástica, acontece que acho um perigo ficar com cara de borracha e percebi que depois de certa idade não tem bisturi que resolva.
Existem uns creminhos, mas não acredito neles, fato é que toda mulher não gosta de ficar velha.
Aviso: ‘Não é uma questão social’, em todas as classes envelhecer significa desprazer.
Existem pessoas que vem com lero lero dizendo que faz parte da natureza, que envelhecer amadurece que temos que saber envelhecer.
Ora, tudo parece muito lindo e romântico, mas na verdade ficar velho é um desastre.
Contudo adquirimos fórmulas.


- Gostei desta parte, conta sobre as fórmulas...


- A melhor é fingir para você mesma que o visual piorou, mas em compensação a cabeça está tinindo.
E é verdade, parece que ao envelhecer adquirimos certa clareza,( por que não percebi isto antes? )
Contudo se você souber usar os tais neurônios poderá viver satisfatóriamente.
Eu estou querendo dizer que as fórmulas estão relacionadas a saber usar melhor o seu tempo, sua criatividade, manter-se atualizado. Eu por exemplo aprendo tudo rapidamente.
Aprendi também a não ter vergonha de ser eu mesma, faço o que quero e não me preocupo se estou pagando algum mico. Não gostou? O problema é seu....
Também sinto-me privilegiada porque sempre tive muita facilidade de inventar, criar. Sou criativa no meu dia a dia e também sou seletiva portanto só me relaciono se eu achar que vale a pena.
Quando jovem, eu chegava a ser idiota, mas eu não pretendo entrar numa crise de nostalgia, hoje quero usar bem o que me resta, porque é isto mesmo: Depois de certa idade o que te resta é a raspa do tacho e esta tem que ser muito boa.


- Gostei da raspa, dizem que as raspas são o melhor do doce.


- Sim, em relação a doces é tudo verdade. Em relação à idade temos alguns aspectos e é por isto que dei o nome de fórmulas.
A idade tem limitações, ex: a vista não é boa, você perde um tanto de pique, se cansa com mais facilidade, engorda mesmo que não coma, tem excesso de compromisso e em muitos casos adoece mais, isto é, fica vulnerável.
Uma das fórmulas é se manter atento, atenção em todos os casos é fundamental.
Portanto eu não vou ao médico porque estou doente, eu vou ao médico, para não ficar doente e com isto eu ganho tempo e felicidade porque se a velhice já é ruim, imagine ter estes dois prejuízos? Sepultura, na certa.
Outro aspecto da fórmula é estar sempre atualizado porque se a solidão é inevitável, a máquina internética pelo menos te dá meia relação. Meia porque em alguns casos você pode vir a conhecer ‘alguns amigos’, e com os outros você poderá manter uma relação virtual. Quando você ficar esgotada, basta desligar a máquina...clic
(o botão é sensacional).



- Acontece que o que você está dizendo é universal (sem ser igreja..rs). A solidão acomete jovens e velhos, talvez acometa até crianças...


- Sem dúvida alguma. A globalização comeu nossas vidas, nos jogou na arena e nunca sabemos se as feras estão famintas ou não.
A grande vantagem da juventude está relacionada ao tempo.
Quer ver? Eu estive a pouco na Europa e tenho certa urgência de voltar lá, por quê? Somente porque estou numa situação em que não posso dizer: Um dia eu volto lá! Ora, um dia pode significar muito tempo. Se eu for esperar o tal tempo, volto aos oitenta.....hahaha.
Me diz, sei lá como estarei aos oitenta? De repente ainda estou bem, mas isto é ser otimista demais porque se hoje eu me canso mais, se enxergo menos, se dói aqui e ali, se a minha densitometria óssea diz que eu tenho osteopenia , lá pelos oitenta ela já deve ser uma osteoporose, você me entende? Pois é, ter uma certa idade está intimamente ligado à urgências.


- Entendi tudo, e acho muito legal o fato de você se preocupar em usar bem seu presente. Acho incrível você manter este humor, mas penso que você relatou questões que estão intrinsecamente ligadas à existência humana.
Enxota os fantasmas mesmo porque só assim temos condições de usar nossa existência de maneira satisfatória.
Isto é quase como comer strudel com amêndoas em calda, com o direito de poder escolher se o comemos num Castelo na Normandia ou se num apê em Copacabana, tudo vai depender da escolha de cada um..



Ivy Gomide



*

quarta-feira, 21 de abril de 2010

TIREI ESTA FOTO HOJE, É VERDADE!



-Tirei esta foto hoje!
-É mesmo? Com que idade?
-Você acha que eu estou mal?
- Está ótima! Era isto que você queria ouvir, não é?
- E qual a mulher que não quer ouvir isto? Todas, meu querido....
- Pode começar a contar os truques, a ida ao photoshop, uma plástica virtual... conta logo porque eu te conheço...
- Espera, não estraga os prazeres e nem detona, estou ao natural.... você não está vendo? Eu mesma me fotografei porque quando chegamos numa certa idade penso que não podemos mais esconder. Sou eu mesma sem disfarces.
- Sem disfarces, nenhum?
- Quase 100% ao natural...... quer dizer eu dei uma arrumadinha no cabelo, mas não foi virtual, foi no meu espelho mesmo....
-Ahnnn, sei..
- Não passei nada no rosto, isto quer dizer que não tem maquiagem, só estava com um creme e nem gostei porque deu brilho. Também vou logo avisando que nunca fiz plástica, nenhuma! Eu apenas pinto o cabelo, mais qual mulher não pinta?
Quer dizer, eu fiz a sobrancelha definitiva, mas juro que não fiz mais nada.
- O que é isto de sobrancelha definitiva, eu pensei que a gente nascia com uma....
- kkkkkkkk, espera que eu explico: seguinte, depois de certa idade aparece uns fios brancos na sobrancelha e a gente começa a tirar e ela vai afinando muito, daí eu fiz uma espécie de tatoo na sobrancelha.
- Que lugar esquisito pra fazer tatoo! Fez tatoo de quê??
- Ora bolas, eu fiz uma sobrancelha em cima da sobrancelha, vê se entende! Fora isto tudo é ao natural, tal como sou..
- Ah sei, você está dizendo que não tem nem meio retoque, que se eu for até aí te ver eu dou de encontro com esta aí da foto?
- É mais ou menos isto sim...
-Como mais ou menos? Você vai abrir a porta pela metade?
Aparece a da foto e depois vem outra?
Pôxa, explica direito, eu quero saber se é você ou não é!
- Sou eu mesma, quase, quase.... quero dizer que eu fui no photoshop e dei uma iluminada, mas sou eu!
- Começou a trapacear, conta logo!
- Calmaaaaa eu só dei uma iluminada, mas o cabelo é meu, as rugas são minhas, o sorriso é meu... Tudo meu!
Eu só posei...... virei pro meu lado melhor.... escolhi uma foto entre umas dez que tirei.
Ah... eu também fico melhor de lado.... Sabe como é, a gente dá um jeitinho ...rs..
-To entendendo; vestiu uma roupa de festa, calculou a iluminação, riu sem naturalidade ( posou..), penteou o cabelo, passou um creme, desarrumou, pintou o cabelo antes e repetiu umas dez vezes pra você mesma: - Diz que eu estou bem, diz? (Para a máquina!)
Sua manipuladora....
- Você quer me fazer chorar seu cretino? Olha, eu nem devia ter te contado nada.
Sou eu sim, eu só me arrumei um pouquinho pra foto e aparece logo um estraga prazeres.
Eu estou bem viu? Eu estou melhor do que muita mulher mais nova. Não estou negando que tenho rugas e não tirei nenhuma com apagador virtual, deixei tudo porque eu queria tirar uma foto de verdade. Eu to vendo o quanto você é chato, só porque é homem.... Todo homem é assim...
Só porque vocês podem ter cabelo branco que dá um charme, podem ser barrigudos porque não fica feio, podem ser carecas porque dizem que tem mulher que gosta, podem ter rugas porque ruga em homem é enfeite.
Poxa, olha aqui eu não gosto de careca, tá OK? E acho horrível homem com aquele barrigão!
- hahahahaha... não tenho barriga, não sou careca e nem tenho rugas. Ferrou!
- Detesto você, quer acabar com a minha felicidade, por que vocês são assim? Olha não to ligando, sou mais eu porque cheguei numa certa idade e ainda to inteira.
-Qual idade?
-É ruim que vou te dizer heinn..... tá querendo saber demais, viu? Some daqui agora.

Ivy Gomide

quinta-feira, 15 de abril de 2010

MORTE EM VENEZA - FILME DE L. VISCONTI



Morte em Veneza

Só se pode alcançar a beleza através dos sentidos. Existe algo de maligno em nossos sentidos.
- ‘Não posso aceitar algo demoníaco dentro da arte.’
Esta frase traduz um pensamento de Gustav Aschenbach.
Segundo a wikipédia, "Morte em Veneza apresenta uma escrita complexa e profunda, onde cada parágrafo pode ter diversas leituras".
O aparente enredo nos parece inexistente porque trata da história de um homem de meia-idade que viaja até Veneza e apaixona-se platonicamente por um belo rapaz de 13 anos. Contudo este envolvimento ao mesmo tempo que perturba, provoca um fascínio e desejo irresistíveis para no final este homem morrer sem sequer ter trocado uma palavra com ele.
Gustav é um compositor rígido em suas regras, está doente e foi a Veneza para descansar e relaxar; tratamento indicado para seu coração doente.
Tádzio é um menino de 13 anos que possuí uma beleza fora do comum. É saudável, alegre e vive uma vida de garoto sem preocupações ou regras.
O encontro dos dois acontece na paradisíaca Veneza que naquele momento atravessa um período vulnerável com a possibilidade de uma epidemia de cólera.
O filme nos proporciona pouco mais de duas horas sobre a questão do desejo e do amor mesmo que platônico.
É o encontro do artista com a beleza, tanto da cidade quanto da música e do menino em sua perfeição.
Veneza é o cenário onde se passa a angustiante e dramática história; uma cidade flutuante entre pontes e vielas labirínticas. Uma cidade romântica que possibilita encontros e paixões, uma cidade enigmática porque parece guardar mistérios indecifráveis. Uma cidade onde Aschenbach perde o controle de suas rígidas regras porque penetra na intimidade da beleza em estado puro.
Aparentemente a história aborda a homossexualidade, entretanto esta questão logo fica em segundo plano porque a paixão que toma conta de Aschenbach permanece no âmbito da idealização, em nenhum momento ela é tem características sexuais. É uma paixão extraída do olhar. Tal como acontece quando estamos em Veneza. O olhar revela.
A atração não ultrapassa a necessidade de “ver e sentir” o belo. Este belo é o ideal perseguido de forma irresistível como beleza eterna e é essa beleza que transtorna o compositor que sempre a buscou para si .
Aschenbach encontra a arte (beleza), na forma física ( humana).
Esta sempre foi sua meta como compositor, meta que ele perseguiu por toda vida; o drama consiste no fato de que a beleza não surge de dentro dele, ele não chegou a ela de dentro para fora, ela chegou a ele de fora para dentro na figura perfeita do jovem Tádzio. Portanto ele não é criador, mas somente espectador.
Isto faz com que a beleza provoque angustia.
Li em algum lugar da internet que ‘a imagem de Tadzio seria a captura da beleza que a arte se encarrega de eternizar.’ Achei a frase belíssima, talvez tão bela quanto o próprio Tadzio ou minha linda Venezia.
Acompanha esta trajetória a 5ª Sinfonia de Mahler fazendo com que o filme se transforme na própria beleza desmembrada.
Fico pensando neste triangulo sutil: A 5ª sinfonia trafega os labirintos e as pontes projetando o olhar doce como só os anjos tem, um anjo chamado Tadzio.



título original: (Morte a Venezia)
lançamento: 1971 (Itália)
direção: Luchino Visconti
atores: Dirk Bogarde , Mark Burns , Marisa Berenson , Carole André , Björn Andrésen
gênero: Drama


Ivy Gomide