segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

ENTRE AVENCAS PECA - A - DOR



ENTRE AVENCAS PECA-A-DOR
Ivy Gomide


Entre avencas que transpiram vento
mordo ar na combustão da praia
líquido transtorno
infame delírio
rasgo-me em veias
sangram cortes
realidade dispersa
comprime estrelas azuis
perdem-se os passos
de meus dedos
não os posso alcançar
deus fulmina em mais um gole
no olhar do pecador
peca-a-dor
onde estás?
Perguntam as avencas
com lágrimas poluídas
chora a chuva
de-molhada-mente.

* 2008 *



Este poema faz parte da Coletânea dos 44 melhores poemas de 2008. Antologia do Concurso de poesia sa Abraci.


* * * * * *